Apometria

 

 

Apometria é um conjunto de princípios e técnicas de canalização de energias que tem como objetivo o tratamento, a harmonização e a conscientização dos vários aspectos que movem as energias humanas. O ponto central da prática apométrica é o desdobramento induzido, também chamado de projeção da consciência, fenômeno psíquico denominado sonambulismo magnético por Allan Kardec, o codificador do espiritismo.

Apometria não é doutrina, nem filosofia, tampouco religião. Apesar de se valer de princípios comuns a diversas doutrinas espiritualistas, especialmente o Espiritismo, tem uma postura ética-filosófica fundamentada no servir com amor e por amor.

 

A apometria não é uma panaceia ou mágica, isto é, não é a cura para todos os problemas, sejam eles do físico ou do espírito, que libera de sofrimento, quando este é necessário para libertação cármica do ser, necessitando da participação ativa da pessoa que solicita ajuda e de seu merecimento. É apenas uma técnica complementar de investigação da alma humana, que trabalha com e para a espiritualidade.

 

No atendimento apométrico basicamente são realizados a (o):

  • limpeza, alinhamento e cura dos corpos formadores do agregado humano;

  • limpeza e regulagem de chakras (centros de força);

  • alinhamento e tratamento para os nossos níveis de consciência (encarnações em vidas passadas, extratos de personalidade ainda apegados à existência em que viveram e possuem conhecimento de si mesmos podendo ajudar ou atrapalhar a encarnação atual);

  • proteção e equilíbrio e ainda limpeza e harmonização do lar do assistido.

 

Em casos de obsessão mais complexos a apometria é muito abrangente, profunda e direta. Assim a entidade obsessora, pode ser recolhida e tratada posteriormente nos hospitais ou locais específicos no astral.

 

Lembrando a Regra de Ouro da Apometria:

Devemos alertar vigorosamente, para os entusiasmos que possamos estar provocando. Como fundamento de todo este trabalho ― como, de resto, de todo o trabalho espiritual ― , deve estar o AMOR. Ele é o alicerce. SEMPRE.” (José Lacerda de Azevedo)

Já sabemos da eficácia dessa técnica e sempre ficamos curiosos a respeito do seu surgimento e quem a decodificou... Vamos falar sobre isso, neste pequeno texto.

José Lacerda de Azevedo médico que nasceu (1919) e desencarnou (1997) em Porto Alegre-RS.O médico gaúcho, depois de tomar conhecimento de um estudo feito pelo Sr. Luis J. Rodriguez, cidadão porto-riquenho, sobre Hipnometria, técnica que propunha um desacoplamento do perispírito, por meio da qual um médico poderia acessar a intimidade energética do paciente e pinçar nos bancos de memória espiritual, fatos e ocorrências infelizes do pretérito, responsáveis por transtornos psíquicos e somáticos identificados na presente encarnação.

Dr. José Lacerda se interessa pelo assunto e cria toda uma sistematização das pesquisas nesse campo. Depois de certo tempo de trabalho, achou o nome impróprio, porque  Hipnos em grego significa sono, o que indicava que o paciente era colocado em sono, o que não ocorre. Então o nome foi trocado. Apo em grego é um a preposição que significa fora de, e Metron, em grego significa medida. Então a Apometria é um fenômeno de desdobramento do indivíduo de seu corpo físico em estado de vigília. Dr. Lacerda foi responsável pela criação de leis, do estudo de várias síndromes obsessivas, de técnicas operacionais e a formação de um expressivo número de médiuns e de operadores familiarizados com a sugestiva metodologia de investigação da alma humana.

 “A Apometria, repetiremos sempre, não é uma panacéia. É apenas uma técnica complementar de investigação da alma humana.” (Vitor Ronaldo Costa)

Sugestão de livros que podem ajudar num maior conhecimento:

Espírito/Matéria=Novos Horizontes para a Medicina - José Lacerda de Azevedo

Desobsessão & Apometria - Análise à luz da Ciência Espírita - Vitor Ronaldo Costa

Apometria: Novos horizontes da medicina espiritual - Vitor Ronaldo Costa

 

Definição básica de Apometria

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Do grego: "apo"= além de, separação, afastamento  -  "metron"= relativo à medida, que mede

  • representa o clássico desdobramento entre o corpo físico e os corpos espirituais do ser humano;

  • não é propriamente mediunismo, mas sim uma técnica de separação desses componentes;

  • é uma técnica que pode ser aplicada em todas as criaturas;

 

É, então, ao mesmo tempo:

  • técnica anímico*- espiritual de desdobramento dos corpos, através da qual pode-se atuar tanto em encarnados como desencarnados; e é

  • uma ferramenta de manipulação de energia.

 

*anímico= produzido pelo encarnado, com suas próprias faculdades espirituais, sem o uso dos sentidos físicos, graças à expansão de seu perispírito.

 

Resumindo:

- é uma técnica de desdobramento do agregado espiritual do ser humano, induzida por energia mental de um operador encarnado, através de pulsos ou comandos energéticos mentais (sob impulsos da vontade);

- é uma ferramenta de manipulação de energia.

Uma pequena biografia de José Lacerda de Azevedo

 

Médico que nasceu (1919) e desencarnou (1997) em Porto Alegre-RS.

Dr. José Lacerda, cirurgião, ginecologista e, mais tarde, clínico geral, homem de sólida cultura; com conhecimentos aprofundados em Matemática, Física, Química, Botânica, História Geral, História da França, História do Cristianismo, História da I e II Guerras Mundiais.

Desenvolveu e fundamentou a Apometria nas obras básicas: Espírito e Matéria – Novos Horizontes para a Medicina e em Energia e Espírito, onde formulou novos e importantes conceitos e teorias sobre os binômios: espírito/matéria, espírito/energia e espaço/tempo.

Dr. Lacerda não considerava o Espiritismo uma religião, mas uma realidade cósmica, excluía da sua prática qualquer traço de misticismo ou fanatismo, sempre difundiu essa doutrina como ciência e filosofia. Embora essa concepção, sabia e pregava que o Espiritismo tem consequências religiosas por “religar” o homem à Deus. Mas do que isso vivia o Espiritismo como instrumento de caridade, servindo ao próximo através de suas práticas, conferências e trabalhos de assistência, coletiva e individualizada, extensivos a toda a sorte de

necessitados. Costumava dizer que: “Kardec codificou o Espiritismo, e os espíritas brasileiros criaram o ‘Kardecismo’, uma prática ou tentativa de vivência da doutrina Espírita, permeada de religiosidade, com tendência a se tornar crença ou seita”.

Quanto a Umbanda, Dr. Lacerda a percebia como uma filosofia de vida e prática mediúnico-religiosa útil e necessária ao povo brasileiro, ainda tão apegado a liturgia e rituais, e que a mesma era uma espécie de ponte entre o Catolicismo, dominante, e o Espiritismo, libertador.

Decorrente desse discernimento não sectário, Dr. Lacerda compreendia, permitia e estimulava, quando necessário, a manifestação de entidades espirituais nas faixas ou personalidades de pretos velhos, caboclos, etc. Usava cantar pontos e outras orações para a harmonização do ambiente de trabalho espiritual, pois sabia que os sons harmônicos liberam energias positivas altamente benéficas.

Tinha uma visão larga e liberal, aceitando todas as ferramentas de trabalho comprometidas com o amor e a verdade, úteis à caridade. Acreditava que a Apometria, usada com amor e por amor e gratuitamente, devia servir a todos que dela necessitassem, não importando se os trabalhadores ou atendidos fossem espíritas, umbandistas, teosofistas, esotéricos, etc.

Foi responsável: pela criação de leis, do estudo de várias síndromes obsessivas, de técnicas operacionais, da formação de um expressivo número de médiuns e de operadores familiarizados com a sugestiva metodologia de investigação da alma humana.

Faleceu no dia 29 de novembro de 1997, aos 78 anos de idade, vítima de enfarto do miocárdio, poucas horas após ter assistido, pela última vez os trabalhos da Casa do Jardim, que tanto amou. (texto retirado do livro Espírito/Matéria - Novos Horizontes para a Medicina.)

 

Corpos Espirituais – O Homem Setenário

Aqui vai mais um texto básico, só para mexer com a nossa curiosidade, pois o assunto é bastante extenso e fascinante, exigindo o nosso estudo e pesquisa.

Geralmente somos tão apegados a nosso corpo físico, que consciente ou inconscientemente, acreditamos ser esse o nosso verdadeiro corpo, e que, portanto, tudo de virtuoso ou vicioso que exista nele, faz parte integrante de nosso ser. E por esse padrão julgamos também as demais pessoas. Esse conceito é fundamentalmente errado, porque em verdade não somos o corpo físico, somos, sim, um espírito imortal, que se reveste de um corpo físico, como este se reveste de uma roupa para atuar em seu próprio ambiente.

Uns poucos ocidentais e a grande maioria das religiões orientais têm ensinado uma constituição mais complexa do Homem-Espírito: sete componentes interpenetrados, os mais sutis ocupando a mesma porção espacial dos mais densos, perfeitamente definidos, mas vibrando em dimensões espaciais diferentes – onde as propriedades, funções e manifestações são distintas.

O ser humano é formado basicamente de 7 corpos, sendo apenas um deles, o corpo físico, conhecido e aceito pela maioria das pessoas e pela ciência convencional. Os outros 6 corpos são desconhecidos pois não são constituídos de matéria densa perceptível aos sentidos normais das pessoas. São corpos formados de um tipo de matéria eterizada, fluídos e energias, que fogem aos órgãos de percepção normais dos seres humanos (visão, paladar, tato, olfato e audição).

 

Assim sendo, temos do mais sutil ao mais denso:

 

. na dimensão superior o corpo átmico e corpo búdico;

. na dimensão astral o corpo mental: superior ou abstrato e inferior concreto; e o corpo perispiritual, astral ou psicossomático;

. na dimensão etérica o corpo etérico ou duplo etérico;

. na dimensão física temos o corpo físico ou somático;

 

  • O corpo átmico, que reveste a ulterior centelha divina ou mônada, Eu Cósmico ou

espírito puro, elo imprescindível e fundamental que orienta e determina todos os outros

corpos de manifestação na forma. A própria partícula da vida, o princípio coordenador. Apenas É;

 

  • O corpo búdico, conhecido em nosso plano como corpo cósmico, detém o grande núcleo

 da consciência potencializado ao máximo, à semelhança de um átomo espiritual. É nessa dimensão cósmica, búdica, imortal que são registrados toda experiência multimilenar e todos os acontecimentos, em seus mínimos detalhes;

 

  • O corpo mental, é o idealizador e o mantenedor das formas e do funcionamento dos

corpos que lhe são inferiores. Subdivide-se em mental inferior ou concreto e mental superior ou abstrato.

 

  • O corpo astral ou perispirítico é o mediador plástico de manifestação do espírito no

corpo físico. Está quase que totalmente absorvido em coordenar, estimular e conduzir os milhares de fenômenos que acontecem na intimidade das células e dos órgãos do corpo somático ou físico. Apresenta órgãos semelhantes ao do corpo físico, pelo fato de lhe presidir a formação.

 

  • Corpo etérico também chamado de corpo vital, elemento de constituição delicada,

altamente influenciável e se ressente, em sua estrutura íntima, do comportamento humano equilibrado ou não, no que tange às virtudes ou viciações. É a intermediação entre o corpo astral e o físico que tem a função vitalizadora e é responsável pelo metabolismo do ectoplasma e do complexo fisiológico do homem.

 

  • O corpo físico é o veículo mais denso de manifestação do espírito imortal sobre a Terra.

Considerado o suporte passivo da consciência, recebendo a ação de elementos anímico-espirituais, representado por sua química originária do próprio mundo.

 

 Bibliografia: "O homem e seus corpos" – Anne Besant

                      "Além da Matéria" – Robson Pinheiro pelo espírito de Joseph Gleber

Os Cordões de Prata e o de Ouro

 

Cordão de Prata  -  também chamado de laço fluídico, cordão astral entre outros. É constituído de substância semimaterial que liga e mantém o psicossoma ou perispírito ligado ao

corpo físico ou soma. Cada célula do corpo espiritual se encontra ligada

à célula correspondente do corpo físico; entretanto, quando esses corpos

se dissociam através do desdobramento ou da projeção, os elementos

sutis do psicossoma formam uma espécie de apêndice, que é designado

cordão de prata. No momento da morte física ou desencarne, é rompido

definitivamente, enquanto durante o processo de desdobramento ou

projeção da consciência encarnada é o que mantém a conexão do

corpo espiritual com o físico, impedindo a morte deste e conservando ambos não apenas ligados, mas em constante comunicação. Anatomicamente o cordão de prata apresenta elasticidade, com densidade e diâmetro variáveis. Ele é formado no momento da concepção e passa a maior parte do tempo recolhido ou encolhido na intimidade das células físicas.

Cordão de Ouro -  também chamado de cordão umbilical extrafísico. É um órgão extrafísico que liga o psicossoma ao corpo mental e é responsável pelas transferências energéticas de nível superior. Responsável pelas informações e mentalizações realizadas do corpo mental em direção ao corpo psicossomático, inferior em vibração. Sobrevive aos choque e entrechoques biológicos de desencarnação e reencarnação ao longo dos milênios. Tem uma atuação física e extrafísica, por participar da parafisiologia do corpo psicossomático e da fisiologia do corpo físico.

Fonte: Além da Matéria – Robson Pinheiro pelo espírito Joseph Gleber

Título 1

Os Chakras

 

                 Os chacras são extremamente importantes no trabalho apométrico. Então vamos saber um pouquinho sobre eles.

                 Embora para alguns o problema dos chacras ou "centro de forças etéricas" ainda signifique assunto controverso e algo duvidoso, o certo é que os hindus, egípcios, caldeus e outros já tratavam dessa matéria antes mesmo da era cristã. As estátuas de Buda, que viveu 600 anos A.C., já apresentam o iluminado instrutor espiritual da Ásia com o chacra coronário situado no alto da cabeça e envolvido por uma grinalda de chamas esculpidas na pedra, significando a união das forças espirituais dos mundos superiores com as energias do mundo físico em evolução.

                 O conhecimento dos centros de forças etéricos, portanto, remonta de longos séculos, pois os hierofantes, clarividentes egípcios e hindus sabiam julgar da capacidade dos seus discípulos e adeptos pela simples visão da transparência, colorido e da extensão do diâmetro de cada chacra do duplo etérico, os quais se apresentam como espécies de "redemoinhos" resultantes do choque das energias etéricas do mundo superior, quando entram em contato turbilhonante com as forças agressivas e vigorosas do plano físico. Do encontro das energias sutilíssimas descidas do Alto e das forças primárias que sobem da Terra carregadas de impurezas próprias do mundo animal instintivo, resultam os "chacras", espécie de discos giratórios etéricos em alta velocidade. O fenômeno é algo semelhante ao que acontece na atmosfera do planeta, quando as correntes de ar frio que descem das nuvens carregas de água entram em choque com as correntes de ar quente que sobem da crosta, resultando os redemoinhos de vento ou tufões.

                Os vórtices de energia ou chacras, segundo a filosofia oriental, são órgãos de importância transcendental para o equilíbrio energético do ser humano, para a manutenção da saúde e da harmonia biológica, psicológica e espiritual. Esses órgãos de percepção e transmutação de energias extrafísicas são de vital importância para todo aquele que se propõe atingir estados superiores de consciência ou sua evolução anímica.

                Desde as eras remotas, quando o princípio espiritual estagiava nos reinos elementares da natureza, elaboraram-se os vórtices energéticos, com vistas ao aprimoramento.

                A função dos chacras é a de realizar e manter as transformações das energias advindas dos reinos da natureza, desde as energias cósmicas até as ambientais, contribuindo para a integração do espírito com seus veículos de manifestação: o perispírito e o corpo físico.

                Embora a quantidade de chacras seja muito grande, quando se trata deles nos diversos tratados espiritualistas, geralmente, fala-se apenas em sete, que são considerados os mais importantes na estrutura astralina.

                Estão localizados nos nossos três corpos: psicossoma ou perispírito, etérico e físico, recebendo nomes referentes a essas três dimensões:

                       no psicossoma recebem o nome de centros de forças;

                       no corpo etérico de chacras e

                       no corpo físico de plexos nervos.  

                Todos os chacras irradiam, basicamente, três cores, constituindo essas cores o vermelho, o amarelo e o azul. A combinação delas é responsável pela variação de matizes e tons secundários que se pode verificar.

Fontes: Elucidações do Além – Hercílio Miranda pelo espírito Ramatís e Medicina da Alma – Robson Pinheiro pelo espírito Joseph Gleber